Pesquisar

 
Soutelo do Douro

Soutelo teve origem em herdade foreira da Coroa (reguenga), e a terra esteve sob jurisdição da vila e castelo da Pesqueira.
A história da povoação conhece-se melhor a partir da altura em que passou a terra à posse do bispo de Lamego (D. Paio ou Pelágio – 1211-1246) que fez dela póvoa, a repartiu em dezasseis casais e a aforou, concedendo-lhe carta de povoação.
A Câmara da Pesqueira embora concordando com essa concessão colocou como condição que o povo de Soutelo ficasse sujeito ao foro (e às justiças) da vila da Pesqueira por ser assim melhor para ele. Mas as coisas não caminharam nesse sentido, sentindo-se o povo prejudicado nos seus direitos.
Ao bispo se deve a instituição da vila e concelho (capitulares) de Soutelo exercendo aqui as suas justiças próprias (como em outras localidades da diocese). Ao que se crê, a mãe do referido prelado tinha aqui propriedades, legando-as ao filho.
A separação civil (e cível) de Soutelo em relação à Pesqueira, arrastou de igual modo a separação da paróquia o que desagradou também ao abade da Pesqueira que ficou sem as décimas e as primícias, agora rendimentos transferidos para o bispo ou cabido de Lamego subtraídas ao rei. A nomeação do cura ou do pároco de Soutelo, também por via dessa transição de poderes, passou a ser da responsabilidade do bispo ou do referido cabido.
Esta situação que motivou muitas devassas e demandas, contra certos foros e rendas, manteve-se durante muitos decénios, permanecendo os conflitos entre os prelados, os representantes da nobreza (da Pesqueira) e o próprio povo que a achavam abusiva.
A situação agudizou-se na vigência do bispo D. Gonçalo Gonçalves quando se tratou da anexação das terras de Cima Côa à diocese.
O bispo impediu os nobres de Távora de construírem em Soutelo residência e adega, queixando-se desse facto ao rei que indeferiu a pretensão dos fidalgos, julgando-a abusiva.
Os próprios soutelenses tomaram o partido dos fidalgos, uma luta de ambos, pois em 1525 reclamaram o seu direito de padroeiros sobre a igreja de S.ta Maria de Soutelo, que o cabido, mais uma vez, recusou. A bula do papa Júlio II dirigida aos bispos de Braga e Lamego a respeito da igreja de Soutelo (e Vilarouco) referia que ela pertencia por inteiro ao cabido, que também fundamentava aí a sua posição.
O desenvolvimento de Soutelo teve origem no tardio século XVIII, com a instalação definitiva da nobreza que aqui começou a erguer as suas residências e armazéns. O incremento da vinha e do vinho (do Porto) com Pombal deu a substancial ajuda à débil economia local.
   Soutelo had its origin in a tenement homestead of the Crown (reguenga), and the land was under the jurisdiction of the village and castle of Pesqueira.
The history of the town is best known from the time when the land went to the possession of the Bishop of Lamego (Paio or Pelagius - 1211-1246) that made it a village, distributed it by sixteen couples - her letter of town.
The Town Hall of Pesqueira while agreeing with this concession put as a condition that the people of Soutelo would be subject to the jurisdiction (and justice) of the village of Pesqueira for being better for it. But that didn’t happen and people felt hurt in their rights.
The creation the village and county (chapters) of Soutelo here exercising their own righteousness (as in other locations of the diocese). It is believed, that the mother of that prelate had properties here, leaving them to the child.
The Civil separation (and civil) of Soutelo regarding Pesqueira, dragged in the same way the separation of the parish which also displeased the abbot of Pesqueira who lost the income that was now transferred to the bishop of Lamego and subtracted to the king. The appointment of parish priest of Soutelo, also through this transition of power, has become the responsibility of the bishop or of that priest.
This situation which led too many attacks and demands against certain forums and rents, remained for many decades, which caused conflicts between prelates, representatives of the nobility (of Pesqueira) and the people who found it abusive.
The situation was exacerbated in the time of bishop D. Gonçalo Gonçalves when it came to the annexation of the lands of the diocese Up Coa.
The bishop prevented the nobles of Távora of building in Soutelo house and cellar, and thy complained to the king that rejected the claim of noblemen, and considered it abuse.
Even the people of Soutelo supported the noblemen, in a struggle of both parties, as it had happened in 1525 when they claimed their right to patron saints of the church of Sta. Maria, that the priest, once again, refused. The bull of Pope Julius II to the bishops of Braga and Lamego about Soutelo church (and Vilarouco) stated that she belonged entirely to fit, which here also basing its position.
The development of Soutelo happened in the late eighteenth century, with the final settlement of the nobility here who began to build their homes and warehouses. The increase of vine and wine (Port) helped substantially the weak local economy in the time of Pombal.

Património

O pelourinho, é um elegante exemplar manuelino, classificado de interesse público; a Casa da Câmara e cadeia com brasão de D. Maria I; A fonte da Praça constitui referência importante da vida comunitária.
A igreja paroquial, sólida e robusta, e bem travada, modelo dos nossos templos rurais. Apresentava um interior rico em talha dourada (fins do Séc. XVII), retábulo-mor e altares colaterais de outros períodos. Digo apresentava porque foi vitima de um incêndio em Junho de 2002 que a deixou completamente destruída, estando neste momento em reconstrução com a ajuda do povo soutelense. Prevê-se que seja inaugurada ainda este verão.
Existem ainda as capelas de S.to Amaro, S. Sebastião, capela - miradouro da Sr.a das Neves e de Santa Marinha.

Patrimony

The pillory, is an elegant example “manuelino”, classified of public interest; the Town Hall and jail with Maria I coat of arms; The Fountain of the Square is an important source reference of community life.
The parish church, solid and robust, and well built, is model of our rural temples. It had a rich gilded interior (late 17th century), altarpiece and side altars of other periods. It is here said had because of a fire in June 2002 that left it completely destroyed and is currently being rebuilt with the help of people of Soutelo. It is expected to be inaugurated this summer.
PatronThere are also the chapels of S.to Amaro, St. Sebastião, Chapel - viewpoint of Senhora das Neves and Santa Marinha.

Padroeiro

O dia mais importante para os soutelenses é o 1º ou 2º domingo de Agosto dedicado à padroeira Sr.ª das Neves (antigamente S.ta Maria) a quem o povo denomina Sr.ª da Nassa.
S.ta Marinha é motivo de outra romaria, no domingo e segunda-feira de Páscoa.

Patron

The most important days for the people of Soutelo are the 1st or 2nd Sunday of August dedicated to the patron saint Senhora das Neves (formerly St. Maria) whom the people calls Srª da Nassa.
St. Marinha is the reason for another festival on Sunday and Monday of Easter.


Miradouros

O miradouro existente é a capela - miradouro, dedicada à Sr.ª das Neves, voltada para a povoação, do Alto da Fraga da Bandeira.

Viewpoints

The existing viewpoint is the chapel – viewpoint dedicated to Sr.ª das Neves, overviewing the village from the top of Fraga da Bandeira.

Gastronomia

O prato típico desta freguesia é o cabrito assado no forno com arroz e abola de carne. Quanto à doçaria, para além das especialidades triviais, há o arroz doce, aletria, leite-creme, pão-de-ló e filhós.

Gastronomy

The typical dish of this parish is the roasted lamb with rice and the “bola” of meat. As for desserts, apart from the trivial specialties, there is sweet rice, noodles, custard, sponge cake and fritters.

Pelourinho

Símbolo da autoridade administrativa de Soutelo é uma das relíquias do património do Concelho de S. João da Pesqueira, um elegante exemplar manuelino, classificado de interesse público.

Pillory

Symbol of Soutelo administrative authority is one of the heritage relics of the County's of S. João da Pesqueira, an elegant copy manuelino, classified as public interest.

 

Mapa | Map