Pesquisar

 
Trevões

Localização

A freguesia de Trevões situa-se a 18km da sede de concelho, 80km de Viseu, seu distrito, integrando-se também na Região Demarcada do Douro. Possui uma superfície superior a 18 Km2 e é constituído por uma zona de planalto, zona de montanha e zona de escarpas montanhosas, onde são visíveis os típicos socalcos durienses.

 

História

A origem do topónimo tem levantado alguma controvérsia. Diversos documentos atribuem-lhe o nome de Trovões, outros documentos porém denominam-na Trevões e assim surgem diversas teorias na tentativa de explicar a origem e evolução etimológica deste topónimo. Alguns sugerem que o nome original seria Trovões, devido às frequentes trovoadas que se registam na região, mais tarde, pelo facto de crescer grande quantidade de trevo na zona, foi alterado para Trevões. Outra tese refere a existência do antigo pelourinho da vila, hoje desaparecido, que tinha a representação de um escudo com cinco folhas de trevo, que pertencia a um fidalgo da freguesia, de nome Travassos, daí provindo o topónimo. Outros defendem que Trevões é a designação mais correcta, constituindo a evolução fonética natural de Trevules, forma original que consta de alguns documentos antigos.

Location

The parish of Trevões is located at 18 km from the county seat, 80 km from Viseu, its district, also integrating in the Demarcated Douro Region. It has an area of over 18 km2 and is made up of a plateau area, a mountain area and a mountainous escarpment zone, where the typical terraces of Douro are visible.

 

History

The origin of the place name has raised some controversy. Several documents name it as Trovões. Other documents called it Trevões. Several theories attempting to explain the origin and etymological evolution of this place name arise. Some suggest that the original name would be Trovões due to frequent thunderstorms that are registered in the region. Later, because there were large amounts of clover in the area, it has been changed to Trevões. Another theory also suggests the existence in the village of an ancient pillory, which has now disappeared, with the representation of a shield with five leaf clover, which belonged to a nobleman from the parish, named Travassos, from where it comes the name of the place. Others argue that Trevões is the correct name, constituting the natural phonetic evolution of Trevules, original form that can be found in some old documents.

 

Património

Igreja Matriz - A igreja paroquial de Trevões tem por orago Santa Marinha. A fundação medieval da igreja é indubitável, tanto mais que, quando foi demolida a velha torre sineira, no século XVIII, foram encontradas pedras sigladas e com inscrições, incorporadas na nova estrutura. Há também referência de sepulturas escavadas no adro.

Do primitivo edifício, construído entre os séculos XII e XIII, resta parte de uma pilastra com friso entrelaçado e arranque de arco, junto ao altar do Espirito Santo, e uma pequena pia de água, colocada na entrada da igreja. A restante obra julga-se ter sido executada por volta dos séculos XV e XVI, como parecem indicar os cachorros do portal principal e do arco triunfal, bem como a cachorrada no exterior da capela-mor e da iconografia próximos da linguagem do gótico final.

O edifício, em excelente estado de conservação, apresenta uma fachada austera, onde se rasga grande portal de arco apontado, sobrepujado por janelão de traça setecentista. Ladeia a fachada da imponente torre sineira, mandada construir pelo bispo D. Manuel de Vasconcelos Pereira, em 1775. Do exterior salienta-se o portal norte, em arco apontado com intradorso chanfrado, púlpito, na fachada sul, e os cachorros decorados da capela-mor.

O interior da igreja, de nave única, tem piso lajeado com tampas sepulcrais e tecto revestido a caixotões ornados por volutas e anjos. Sobre a entrada ergue-se o coro alto, construído em 1857, assente em colunas de pedra, onde se incorporam as pias de água benta. Junto à entrada, encontra-se a pia baptismal, de granito, decorada por gomos, datada dos séculos XV/XVI.

Do lado da epístola, abre-se a capela dos Melos, de tecto de madeira oitavado, decorado com imponente retábulo maneirista, dourado e policromado, com tábuas pintadas a têmpera, assente sobre altar de granito. O arco cruzeiro com colunelos de capitéis decorados, é inteiramente revestido a talha dourada de estilo nacional, reproduzindo o tema das ramagens estilizadas e “putis” segurando uvas.

A capela-mor, com tecto forrado a caixotões de madeira, pintados com motivos vegetalistas coroados pelo brasão episcopal, tem retábulo de talha dourada de estilo nacional.
Na parede atrás do retábulo-mor foram recentemente postos a descoberto dois painéis de pinturas a fresco, datadas do século XVI.

 

Patrimony

Church - The church of Trevões has as patroness Sta Marinha. There is no doubt of the medieval foundation of the church, when the old bell tower was demolished in the 18th century, stones with abbreviation and inscriptions were found and incorporated in the new structure, and there is reference to graves dug in the churchyard.

 From the original building, built between the 12th and 13th centuries, it remains part of a pilaster with interlace frieze and arc start, at the altar of the Holy Spirit, and a small sink of water, placed at the entrance of the church. The remaining work is thought to have been done around the XVI and XVI centuries, as the dogs of the main gate and the Triumphal Arch seem to indicate, and the corbels outside the chapel, of iconography and drape closer to the final Gothic language.

The building, in excellent condition, has an austere façade, where a large pointed arch portal rips, surmounted by a big window of XVII century. Alongside the façade runs the imposing bell tower, built by Bishop Manuel Pereira de Vasconcelos in 1775. From the outside it should be highlighted the north gate, in pointed arch with chamfered soffit, pulpit, in the south facade, and the dogs decorated the chancel.

The interior church, a single nave, has a paved floor with sepulchral covers and ceiling coated coffered adorned by volutes and angels. Over the entrance stands the choir, built in 1857, based on stone columns, which are incorporated into the holy water fonts. At the entrance, is the baptismal font, of granite, decorated by buds, dated from the XV/XVI century.

On the side of the epistle, opens the chapel of Melos, of octagonal wooden ceiling, decorated with imposing Mannerist altarpiece, gold and polychrome, with boards painted with tempera, based on granite altar. The cross arch with decorated small columns, is entirely coated gilded national style, playing the theme of stylized branches and "puttis" holding grapes.

The main Chapel, with ceiling lined with wood boxes, painted with plant motifs crowned by the episcopal coat of arms, has a gilded altarpiece of national style. On the wall behind the altarpiece there were recently put uncovered two panels of frescoes, dating from the 16th century.

Capelas

Do património religioso há, ainda, a destacar um conjunto notável de capelas:

-Capela do Mártir são Sebastião, tradicionalmente referida como primitiva igreja matriz;

-Capela de Nossa Senhora da Piedade, dentro do cemitério;

-Capela de Nossa Senhora da Graça;

-Capela de Santo António;

-Capela de Santa Barbara;

-Capela de São Paio, em serra sobranceira de onde se desfruta um vasto panorama sobre a região.

Chapels

From the religious heritage there it should also be highlighted a remarkable set of chapels:

-The Chapel of the Mártir S. Sebastião, traditionally referred to as primitive church;

-The Chapel of Nossa Senhora da Piedade, in the cemetery;

-The Chapel of Nossa Senhora da Graça;

-The Chapel of S. António;

-The Chapel of Santa Barbara;

-The Chapel of S. Paio overlooking mountains where you can enjoy a vast panorama of the region.

Fonte do Concelho - Trata-se de uma fonte que revela a presença romana nesta zona.

County Fountain- This is a fountain that reveals the Roman presence in the area.

Paço Episcopal  – O edifício do Paço Episcopal pertença dos bispos de Lamego erguendo-se em paralelo com a fachada norte da igreja matriz. Foi mandado construir, em 1777, pelo bispo D. Manuel de Vasconcelos Pereira que destruiu a anterior construção.

Episcopal Palace - The Episcopal Palace building belongs to the bishops of Lamego rising parallel to the north facade of the main church. It was built in 1777 by Bishop Manuel de Vasconcelos Pereira, who destroyed the previous building.

Casa do Adro  – foi mandada erguer em 1605 por Baltazar de Almeida Camelo. A fachada principal do edifício pontua 8 janelas, sendo as do andar nobre da sacada com gradeamento em ferro folgado; e as do píseo térreo de guilhotina gradeadas em peito de rôla. Ao centro encontra-se um portal com 2 volutas que sustentam o brasão de armas dos Almeidas, Coutinho e Camelo.

Solar dos Caiados  – desenvolveu-se a partir da rua dos gatos com a rua da restauração, que apresenta uma das melhores construções da vila, quer pela qualidade arquitectónica, quer pelo seu estado de conservação. Este edifício do século XVII, de planta longitudinal, estrutura-se em dois corpos com diferentes alturas devido à inclinação da rua onde está situada.

Solar dos Melos - Também conhecido por Solar dos Caiado Ferrão, foi mandada edificar em 1671, por Francisco de Almeida Caiado. Da construção primitiva já existia a capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição, conservando-se o corpo central da casa, com uma escada de patim adossada. Na segunda metade do século XVIII, sofreu obras de vulto, sob as ordens de Francisco Xavier de Almeida Caiado Melo e Vasconcelos, que a transformou numa das melhores casas de toda a região. As Obras, que podemos balizar entre as décadas de 60 e 70 do século XVIII, apoiando-nos na data inscrita na frontaria da capela (1768) e no seu interior (1771), alteram parcialmente a casa e a capela. Esta capela, dedicada a Nossa Senhora da Conceição foi classificada como Imóvel de Interesse Público em 1970.

 

Casa do Adro – was ordered to build in 1605 by Baltazar de Almeida Camelo. The main façade of the building has 8 windows, the main floor of the balcony with iron railings; and those of the ground-planted guillotine spruce in “peito de rola”. In the center is a portal with 2 scrolls that support the coat of arms of Almeidas, Coutinho and Camelo.

Solar dos Caiados – developed from Rua dos Gatos with Rua da Restauração, there is one of the best buildings of the village either by the architectural quality or its condition. This building of the XVII century, of longitudinal plant, is structured in two buildings of different heights due to the street where the slope is located.

Solar dos Melos - Also known as Caiado Ferrão, was built in 1671 by Francisco de Almeida Caiado. The original building, which had already a chapel dedicated to Nossa Senhora da Conceição, maintains the central part of the house, with a step ladder attached. In the second half of the XVIII century, it underwent major works under the orders of Francisco Xavier de Almeida Melo Caiado e Vasconcelos, having become one of the best houses in the region. The works between the 60s and 70s of the XVIII century, according to the date on the front of the chapel (1768) and inside (1771), partially alter the house and the chapel. This chapel dedicated to Nossa Senhora da Conceição was classified as Public Interest in 1970.

Arqueologia

Várias referências históricas e achados arqueológicos testemunham as origens remotas deste povoado, em local não longe da actual vila. Confirmando a ocupação do território neste período estão alguns achados arqueológicos, como o meio alqueire de moedas romanas encontrado no sítio da Barra, em 1761. Embora haja mais relatos de moedas antigas, apenas se conservou um vestígio material da presença romana neste território, uma cupae de granito, anepigráfica, de pequenas dimensões, encontrada no lugar da Devesa aquando da instalação das canalizações para o saneamento, não havendo notícia de outros objectos junto a ela. O achado foi depositado na Adega Cooperativa de Trevões, onde foi exposto, dada a lógica associação ao vinho. Actualmente a peça integra o espólio do Museu de Arte Sacra de Trevões. Estas lápides funerárias em forma de pipo, estão relacionadas com o ritual de incineração, utilizadas entre os séculos I e III d.C. e perpetuam um rito mais antigo em que os mortos eram depositados em pipas de madeira.

 Existe também um sarcófago, possivelmente da época medieval, que se encontra à guarda do museu local. É uma peça rectangular, de granito, sem tampa e sem inscrição, com bordos laterais ondulados.

 

Archaeology

Several historical references and archaeological findings testify the ancient origins of this town, in a place not far from the current village. Confirming the occupation of the territory in this period are some archaeological findings, as the half bushel of Roman coins found at the place of Barra in 1761. Although there are reports of ancient coins, it was only saved findings from the Roman presence in this territory. This is a small granite "cupae" without epigraphy found in the place of the Devesa when the pipes for sanitation were installed, with no news of other objects besides these. The findings were deposited in the Cooperative Cellar of Trevões, where it was exposed, given the logical association to wine. Currently the piece integrates the collection of the Museum of Trevões.nThese funeral tombstones with the shape of small barrels are related to the ritual incineration, used between the I and III centuries AD and that perpetuated an older rite in which the dead were placed in wooden barrels.

There is also a sarcophagus, probably from medieval times, which is in the charge of the local museum. It is a rectangular piece of granite, without any cover or inscription and wavy side edges.

 

Património Etnográfico

Associação Sócio - Cultural de Trevões

No intuito de preservar e transmitir as tradições populares que constituem o património cultural da freguesia, foi criado, na década de 80, o Rancho Folclórico de Trevões. Ciente da importância que o folclore desempenha na cultura de um povo, como meio de transmissão da herança dos antepassados, com os seus trajes, danças e cantares, executa o profícuo e árduo trabalho de dar a conhecer às novas gerações as suas tradições mais antigas e características, dando também deste modo o seu contributo para a construção da história local, ao construir uma fonte viva de conhecimento.
Tem como madrinha Nossa Senhora da Conceição, celebrada a 8 de Dezembro com Missa Solene.

 

Museu de Trevões

Com o objectivo de guardar a memória desta povoação, transmitindo aos seus habitantes a continuidade e diversidade local, mostrando-lhes as suas raízes e tradições, a Associação Sócio – Cultural de Trevões organizou uma estrutura museológica, onde se recriam espaços ligados à vida da freguesia. Albergando o mais variado tipo de peças, a exposição permanente visa dar a conhecer os costumes e modos de vida passados, tentando desta forma criar um elo entre as diferentes gerações, legando a memória do passado.

Mais informações

Ethnographic heritage

Social-Cultural Association of Trevões

In order to preserve and convey the folk traditions that make up the cultural heritage of the parish, it was created in the 80s, the Folkloric Group of Trevões. Aware of the importance that folklore plays in the culture of a people, as a means of inheritance transmission of ancestors, with their costumes, dancing and singing, performing the fruitful and hard work to make known to new generations their older traditions and features also thus giving their contribution to the construction of local history, to build a living source of knowledge.
Its godmother Nossa Senhora da Conceição is celebrated on the 8th December with Solemn Mass and religious procession.

 

Museum of Trevões

In order to keep the memory of this town, passing to its inhabitants continuity and local diversity, showing them their roots and traditions, the Social-Cultural Association of Trevões organized a museum structure where it recreates places linked to the life of the parish . Home to the most varied types of things, the permanent exhibition aims to inform the customs and past ways of life, trying in this way to create a link between the different generations, bequeathing the memory of the past.

More information

 

 

Museu de Arte Sacra

Vinculado à sede de Lamego desde o século XIII, Trevões já seria um território mais longínquo como nos refere os documentos do ano 960 com o topónimo Trevules a surgir em testamento de D. Fâmula. Trevões sempre teve um passado ligado à igreja, pois à medida que ia evoluindo como paróquia e vila os bispos de Lamego afirmaram o seu nome ao construir em 1787 um paço-episcopal e ao investirem numa igreja ao gosto da contra-reforma. Aqui deixaram também, os emblemas heráldicos provenientes de D António de Vasconcelos Pereira que ainda resistem na capela-mor da Igreja Matriz e no Paço-Episcopal.
A sua importância económica foi restaurada através do património cultural ligado ao contexto diocesano regional, que levou com que fosse criado um pequeno núcleo museológico com o objectivo de preservar e divulgar o património sacro de Trevões a toda a população e a todos aqueles que a visitam.

Mais informações

 

Museum of Sacred Art

Connected to Lamego's headquarters since the XII century, Trevões would already be a more distant territory as the documents of the year 960 refer to us with the toponym "Trevules" to appear in the will of D. Fâmula. Trevões always had a past connected with the church, because as it evolved as a parish and town the bishops of Lamego affirmed its name when constructing in 1787 an episcopal palace and when investing in a church to the taste of the counter-reform. Here also left the heraldic emblems coming from D António de Vasconcelos Pereira who still resist in the main chapel of the Mother Church and the Episcopal Palace.
Its economic importance was restored through the cultural heritage linked to the regional diocesan context, which led to the creation of a small museum nucleus with the aim of preserving and disseminating the sacred heritage of Trevões to the entire population and to all those who visit it.

More information

Padroeiro

A padroeira de Trevões é Santa Marinha. Contudo a população realiza romarias a S. Paio e Santa Rita dia 26 de Junho e a Senhora da Graça no primeiro Domingo de Agosto.

Patron

The patron of Trevões is Santa Marinha. However the population holds pilgrimages to S. Paio and Santa Rita on June 26 and Senhora da Graça on the first Sunday in August.

 

Gastronomia

Os pratos típicos são: cabrito assado, bola de carne, bola de azeite, bolos de Páscoa, sopa seca, feijoada, milhos, papas de milho moído, milhos de tomatada, papas de sarrabulho, favas moídas, favas com chouriço. Podem referir-se, também, os enchidos (alheiras, chouriça, moira, salpicão, farinheira).

Doces e sobremesas: Filhós, folares, biscoitos ou tarte de amêndoa.

Gastronomy

The typical dishes are roasted lamb. “Bôla” of Meat, “Bôla” of olive, Easter cakes, dry soup, bean stew, corn, ground corn porridge, corn in tomato sauce, “sarrabulho” gruel, grinded beans, beans with chorizo. It can also be mentioned the sausages (alheira, smoked sausage, “moira,” (sausage) pepperoni, “farinheira” (sausage).

 Sweets and desserts: Donut, Easter cakes, cookies or pie almond.

 

Miradouros

O miradouro de S. Paio situa-se no cimo de um serro, voltado para a população de Trevões.

Mais informações

Viewpoints

The viewpoint of S. Paio is located at the top of a hill, facing the population of Trevões.

More information

Mapa | Map