Pesquisar

 
Nagoselo do Douro

Com uma paisagem de inigualável beleza, comprovada por todos quantos a visitam, a aldeia de Nagoselo é um lugar encantado. Admirada a partir do rio ou de um miradouro, de aquém e de além Douro, pode o visitante descansar os olhos na sua natureza extraordinária e sossegar a alma nas tradições genuínas e nos costumes diferentes.

Da presença de antigas famílias judias e cristãs-novas por estas bandas pouco se sabe. Subsistem, todavia, nas ruas e nas fachadas de certas habitações, traços antigos que nos remetem para o tempo dos cristãos-novos. São elementos arquitetónicos autênticos, da época de setecentos, que ainda se exibem nas fachadas, das quais sobressaem três antigas habitações localizadas na parte mais ancestral da povoação: duas na rua do Outeiro e outro na rua do Loureiro.

Se a materialidade pouco revela da presença de judeus e cristãos-novos, tal não significa que Nagoselo não tivesse sido por eles calcorreada, pois existe um largo e longo caminho a percorrer na reconstrução da história desta comunidade. De resto, a riqueza desta terra, os negócios e a proximidade à vila de São João da Pesqueira, onde habitava uma importante comunidade judaica, obrigaram os negociantes ou tratantes judeus e, mais tarde, cristãos-novos, a percorrer os caminhos poeirentos para recolher, trocar e vender produtos de qualidade, como o azeite ou o sumagre. É que nesse tempo, antes de São João da Pesqueira ser um concelho vinhateiro, Nagoselo era mais terra de azeite do que de vinho, e contam-nos os documentos antigos que “faltando elle [o azeite] há muita falta e necessidade na terra”. O vinho não abundava, a terra era de “pobreza e lemitassam”, pelo que aqueles que a almocrevavam foram os que mais vida insuflaram à economia débil e, talvez sem saber, semearam um futuro melhor.
Visitar Nagoselo é receber uma lição de história única.

With a landscape, proven by the all who visit it, the village of Nagoselo is na enchanted place. The landscape admired across the river or a belvedere, the visitor can rest their eyes in its nature.

The presence of old jewish and new christian families is little known. However, in the streets and on the facades of certain dwellings, there are still some old features that bring us back to the time of the new christians. They are authentic architectural elements from the seventies that still show themselves in the facades, located in the oldest part of the town: two on Outeiro street and another on Loureiro street.

If materiality shows little of the presence of jews and new christians, this does not mean that Nagoselo had not been inhabited by them, for there is a long and long way to go in rebuilding the history from this community. The wealth of this land, the business and the proximity to the village of S. João da Pesqueira, where an important jewish community inhabited, obliged jewish dealers and traffickers and, later, new christians, to go these ways to collect, exchange and sell products such as olive oil or sumac. Before S. João da Pesqueira to be a wine-growing municipality, Nagoselo was more land of olive oil than wine, and the ancient documents tell us that “there is a great lack and need on earth”. Wine did not abound, but those who walked around, perhaps unknowingly, made a better future.
Visiting Nagoselo is to receive a unique history lesson.

 

Mais informações em: | More information at:

Mapa interactivo dos vestígios encontrados