Pesquisar

 
Espinhosa

A Espinhosa do Douro é uma das mais pitorescas freguesias do concelho de São João da Pesqueira. Antigo lugar do concelho do Castanheiro, depois freguesia com seu termo, hoje extinta e agregada a Trevões, a Espinhosa é uma localidade que seduz de imediato o visitante pela paisagem envolvente, que se assemelha a um mar de verde, cujos montes se afiguram ser ondas de um mar revoltoso.

A presença de valores naturais importantes como o vinho e o azeite bastaram para aqui se fixarem as gentes, entre as quais se contavam famílias de credo judaico e cristãs-novas, que deixaram ficar marcas na arquitetura de algumas construções e parte dos seus saberes nas tradições locais. Reconstruídas e remodeladas através dos tempos, chegaram até nós alguns exemplares de habitações seiscentistas e setecentistas que contribuem para a graciosidade da aldeia. No largo da Moreira, mantem-se uma habitação curiosa, que reclama por uma visita, com elementos vulgares das construções dos cristãos-novos. E venha descobrir as candeias que ainda se penduram junto à porta!

A Espinhosa é um lugar sereno, resguardado do mundo e de braços abertos. Foi entre os seus montes e campinas que, pelo menos desde o final da Idade Média, muitos procuraram por aqui refúgio, como Pero Fernandes, homem baço (mulato), por forro, que no ano de 1492 veio para aqui viver, com casa e fazenda e com os seus filhos, por esta ser terra de esperança. Mais tarde, também aqui teve berço, no ano de 1607, Filipe de Távora, filho de Isabel Rodrigues e António de Távora, que foi preso pela Inquisição, em 23 de Junho de 1670, por culpas de judaísmo e que, passados três anos, foi absolvido e solto da prisão.
Aqui, entre a tranquilidade dada pelo tempo que passa devagar, há que descobrir os recantos e as vidas secretas das nossas gentes.

Espinhosa do Douro is one of the parishes of the municipality of S. João da Pesqueira. Belonged to the municipality of Castanheiro do Sul, then parish with its term, now extinct and added to Trevões, the Espinhosa is a locality that seduces the visitor by the landscape, which resembles a sea of green.

The presence of wine and olive oil were enough to fix the people, among them were jewish families and new christian, who left marks on the architecture of some buildings and part of their knowledge in local traditions. Here a few examples of seventeenth-century and eighteenth-century dwellings have come to us that contribute to the beauty of the village. In Largo da Moreira, a curious dwelling is mainteined, which claims for a visit, with vulgar elements of the constructions of the new christians. Accept the challenge of finding the lamps that still hang together at thedoor!

Espinhosa is a serene place, among its mountains and meadows that, at least since the end of the middle ages, many sought refuge and make life, such as Pero Fernandes, as a spleen man, by lining, who came here in 1492 to live, with house and farm, and with his children, for this is a land of hope. Later, also, in the year 1607, Filipe de Távora, son of Isabel Rodrigues and António de Távora, found here a house. He was arrested by the Inquisition on June 23, 1670, for faults of judaism and, after three years, was acquitted and released from prision.
Here, between the tranquility given by the time that passes slowly, we must discover corners and the secret lives of our people.

 

Mais informações em: | More information at:

Mapa interactivo dos vestígios encontrados